9 DICAS PARA DECORAR SEU IMÓVEL NOVO

BLOG

9 DICAS PARA DECORAR SEU IMÓVEL NOVO

O que fazer? Por onde se deve começar? O que se deve ou não comprar? Muitas são as perguntas e preocupações com a mudança e a decoração do novo imóvel, por isso siga algumas dessas dicas:

Orçamento – Um imóvel novo requer uma infinidade de coisas e, embora não seja necessário gastar muito dinheiro para conseguir um apartamento bem decorado, é importante estabelecer um orçamento para cada ambiente. Assim, saberão onde querem e podem despender mais ou menos dinheiro e será sempre mais fácil na hora de fazer as aquisições de mobília e peças decorativas.

Prioridades – Não é necessário decorar o imóvel todo de uma só vez. Para garantir um cotidiano confortável e a vontade de voltar para casa no final do dia, é importante decidir quais ambientes irá decorar primeiro. Por exemplo, no caso de recém-casados, aconselha-se primeiro o quarto do casal, seguido da sala e cozinha. Garantidos esses espaços, a casa já vai parecer o seu lar, que depois devem continuar a decoração, à medida que o tempo e o seu orçamento assim permitir.

Pesquisa – Em vez de se limitar a adquirir os elementos básicos para um determinado espaço – uma cama qualquer, o primeiro sofá que ver ou uma mesa onde caibam os dois – dedique algum tempo à pesquisa. O mundo da decoração está recheado de coisas lindas e inovadoras, por isso, faça questão de pesquisar em vez de tomar decisões precipitadas que, em poucos meses (quando já tiverem mais dentro da arte que é decorar!) possa se arrepender. Pesquise em revistas, catálogos e sites, inspire-se e crie uma pasta com tudo aquilo que mais gostaria de ver na sua casa. Depois, analise tudo e descubra onde existe sintonia e onde será necessária alguma negociação.

Estilo – Esta pesquisa inicial será uma descoberta do(s) estilo(s) que mais aprecia e que ajudará não só na aquisição de tudo o que precisa, como irá inspirar para tornar a sua decoração pessoal. Saber exatamente o que procura e qual o resultado final pretendido é um desafio e cada peça conseguida será mais uma conquista. Grande parte do encanto da decoração está na montagem aos poucos do ambiente para ver o espaço compor-se exatamente como sonhou.

Cores – A decoração é um mundo de formas, padrões, texturas e cores. Quem já se deparou com um mostruário de cores sabe a dificuldade que é a opção certa dentre as centenas disponíveis. As cores contribuem para a definição de um ambiente como calmo ou jovem, divertido ou elegante e, por isso mesmo, devem ser ponderadas cuidadosamente. Peça amostras de tintas e tecidos e experimente no ambiente antes de tomar a decisão final. Quando em dúvida sobre este ou aquele tom e como combinar diversas cores num só espaço, recorra à sua pasta de inspiração.

Funcionalidade – O estilo e as cores que decide aplicar na decoração deve levar em consideração outro conceito importante: a funcionalidade. É essencial decidir se quer uma casa requintada porque passa lá pouco tempo e vai receber muitas visitas; ou então se prefere um espaço familiar e aconchegante, quando se pensa nos filhos. Caso tenha crianças pequenas em casa, haverá um maior cuidado na aquisição de objetos que não tragam riscos aos pequenos.

Aproveitamento – Muitos casais trazem para o novo imóvel, mobília ou objetos da sua vida enquanto solteiros e, embora alguns possam enquadrar-se perfeitamente, outros podem não ter nada a ver com o novo apartamento. A compra de um imóvel novo é um bom motivo para renovar os móveis e desapegar de objetos que não possuem utilidade na sua vida.

Cooperação – Provavelmente alguém terá mais afinidade com decoração mas é fundamental que ambos participem na escolha das peças, cores e disposição do seu apartamento – caso contrário, no final, um dos elementos do casal pode não sentir-se tão em casa como era suposto; pode sentir que as suas ideias não foram valorizadas e que o seu lar não é um reflexo do casal. O resultado podem ser discussões desnecessárias e/ou algo para ser usado contra o outro no futuro. Se o casamento é feito por duas pessoas, o seu lar também o deve ser.

Ceder – À medida que cooperam na decoração do novo imóvel é natural que não estejam de acordo com todas as escolhas de cores, da disposição do mobiliário ou do fato de um querer encher a sua cama de almofadas e o outro não aprovar tantos acessórios no mesmo local. O que fazer? Esgotar todas as hipóteses possíveis até chegarem a um consenso ou então cada um ceder um pouquinho em um ponto.

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO PODEM SER PROIBIDOS EM CONDOMÍNIOS?

BLOG

ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO PODEM SER PROIBIDOS EM CONDOMÍNIOS?

Viver em harmonia com os vizinhos pode ser um verdadeiro desafio, principalmente quando os desentendimentos acontecem por causa de animais de estimação. E para evitar que os moradores entrem em “pé de guerra”, vários condomínios proibiam a criação de animais domésticos.

No entanto, no dia 14 de maio de 2019, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou que o condomínio só pode justificar a proibição nos casos em que o animal apresentar algum risco ou incômodo aos demais moradores do condomínio. Ou seja: a proibição pode ser realizada SOMENTE se o pet colocar em risco a segurança, saúde ou bem-estar de qualquer um dos condôminos, e deverão ser apresentadas provas físicas (registros em foto ou vídeo) de que o pet está causando problemas antes do condomínio assumir um posicionamento.

Apesar da decisão do STJ, é possível estabelecer regras de condomínio em relação a animais de estimação, como por exemplo: dar advertências a donos que não coletarem dejetos que os pets fizerem em áreas comuns (corredores, elevador, garagem, etc.) e proibir a circulação de pets em áreas comuns sem o uso de guia/coleira.

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO

BLOG

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO

Nos últimos anos, o financiamento imobiliário se tornou a principal forma para aquisição da casa própria e esse procedimento ainda gera muitas dúvidas. Esse artigo possui informações valiosas e várias dicas úteis para quem estiver pensando em financiar seu imóvel.

O VALOR MÁXIMO DA RENDA E LIMITE DE FINANCIAMENTO

A maioria das instituições bancárias liberam crédito para habitação caso as prestações do financiamento não excedam 30% do valor da renda bruta familiar ou individual do comprador. No Itaú o comprometimento é de até 35% da renda líquida e no Santander o comprometimento pode chegar a 35% da renda bruta de acordo com a análise de crédito.
Ao optar pelo financiamento, prefira pagar o valor de entrada mais alto possível. O comprador necessitará pagar à vista pelo menos 20% do valor do imóvel, pois os bancos financiam, em geral, até 80% do valor do imóvel. Isso porque, quanto menor for a quantia a ser financiada, menores serão as parcelas e os juros a serem pagos e mais rápido o imóvel será quitado.
Entre os custos de aquisição não devem ser negligenciados o ITBI e os custos cartoriais de transferência de escritura. Alguns bancos financiam esses custos junto ao financiamento imobiliário mas a política varia de instituição para instituição. Alguns bancos financiam os 80% do valor do imóvel e mais os custos de transferência, enquanto outros bancos financiam os custos desde que estejam inclusos nos 80% do valor do imóvel.

JUROS EM QUEDA E AVANÇO DA CONCORRÊNCIA

Atualmente, a taxa média de juros cobrada nas cinco principais instituições financeiras do país é de 8,94% no Sistema Financeiro de Habitação (SFH), que financia imóveis com valor de até 1 milhão e 500 mil reais em todo país. Há dois anos atrás, a taxa média de juros cobrada pelos bancos no SFH estava acima de 11% a.a..
Vale lembrar que para conquistar as taxas mínimas anunciadas pelos bancos, é importante o tomador do crédito apresentar uma série de condições, sobretudo maior relacionamento com a instituição financeira. O nível e o tempo de relacionamento com o banco, valor do imóvel, bem como o perfil e renda do consumidor também costumam influenciar diretamente nos juros cobrados pelos bancos.
A Caixa segue como líder no mercado imobiliário, com participação de 69,5% no segmento. Mas desde o início do ano passado, perdeu para o Bradesco a liderança no crédito imobiliário com recursos da poupança.
O maior alinhamento das taxas cobradas pelos bancos ocorre em meio a um cenário de recuperação do mercado imobiliário e com os bancos reforçando o foco no crédito imobiliário.

Grafico

SIMULE ONLINE SUAS PRESTAÇÕES

Caso queira saber o valor que ficarão as prestações é possível fazer uma simulação do financiamento on-line. As principais instituições do país disponibilizam simuladores de crédito em seus sites que auxiliam na projeção da compra.
Abaixo segue o link dos simuladores dos 5 maiores bancos brasileiros:

Banco do Brasil
https://www42.bb.com.br/portalbb/imobiliario/creditoimobiliario/simular,802,2250,2250.bbx
 Bradesco
https://banco.bradesco/html/classic/produtos-servicos/emprestimo-e-financiamento/encontre-seu-credito/simuladores-imoveis.shtm#box1-comprar
 Caixa Econômica Federal
http://www8.caixa.gov.br/siopiinternet-web/simulaOperacaoInternet.do?method=inicializarCasoUso
 Santander
https://www.webcasas.com.br/webcasas/?headerandfooter/#/dados-pessoais
Itaú
https://www.itau.com.br/creditos-financiamentos/imoveis/simulador/

CONDIÇÕES PARA USO DO FGTS

Que o FGTS pode ser utilizado tanto como recurso para amortizar o valor total na compra de um imóvel como para pagar prestações em um financiamento imobiliário, já é amplamente conhecido, entretanto existe algumas condições específicas para o uso do FGTS. Entre elas podemos citar:

• o imóvel que será financiado precisa, obrigatoriamente, estar localizado na mesma cidade (ou região metropolitana) onde o cliente mora;
• somando os períodos trabalhados (consecutivos ou não), é preciso ter no mínimo 3 anos de trabalho sobre o regime do FGTS na mesma ou em diferentes empresas;
• o cliente não pode ter nenhum financiamento ativo no SFH, independentemente de qual seja a região do país;
• o FGTS pode ser utilizado para abater em até 80% o valor das prestações, mas apenas dentro de um período de 12 meses consecutivos;
• o uso do FGTS não será liberado caso o cliente já tenha imóvel registrado em seu nome;
• mesmo com restrições no nome (SPC ou Serasa Experian), o cliente pode utilizar o FGTS em um financiamento imobiliário;
• caso já o tenha utilizado em outra transação imobiliária, é preciso aguardar o período de carência de 3 anos, para que o cliente possa usar o FGTS novamente;
• para poder utilizar o FGTS como recurso para amortizar as prestações de um financiamento, o imóvel não pode ser avaliado em valor superior a R$ 500 mil.

DIFERENÇA ENTRE SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO: SAC E PRICE

O sistema de amortização trata especificamente da forma como o valor principal do financiamento, isto é, o valor que você pegou emprestado do banco, será pago ao longo do contrato.
De acordo com a SAC (Sistema de Amortização Constante), a diminuição da dívida a cada mês de pagamento é constante. Isso acontece porque o valor de uma parcela é formada pela soma da amortização e os juros da despesa. Ao longo do pagamento, tanto a dívida quanto os juros do parcelamento caem, o que consequentemente diminui o valor das prestações.
Já na Tabela Price (TP), o que se mantém constante é o valor da prestação. Consequentemente, a amortização do valor principal da dívida será crescente mês a mês.
Assim, no sistema SAC você amortiza mais no começo do contrato, o que torna a primeira prestação do financiamento, em média, 25% maior do que na Price, quando consideramos a mesma taxa de juros. No entanto, quando comparamos o valor final pago no financiamento, no sistema SAC esse valor será, em média, 15% menor do que na Price.

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA E COMPROVAÇÃO DE RENDA

Nessa etapa, você deve, obrigatoriamente, apresentar cópias do CPF e RG ao banco, junto dos originais. Lembrando que, se existe união estável ou um casamento registrado em cartório, é necessário a anuência do companheiro(a), pois a compra pode ser declarada nula futuramente caso haja contestação ou qualquer outro problema.
Sendo assim, ambos precisam apresentar seus holerites e comprovante de estado civil. Caso sejam autônomos, é importante entregar extratos bancários para demonstrar a movimentação na conta e também a declaração de imposto de renda do casal.
Se você deseja financiar com um banco no qual ainda não possui conta, deverá se submeter a todo o processo de cadastramento junto ao gerente, o qual te informará toda a documentação necessária para dar seguimento às etapas e, posteriormente, aprovar o financiamento. Procure demonstrar de onde vem a sua renda familiar, seja através de holerites, extratos bancários, declaração de imposto de renda, contratos de prestação de serviço, etc.
Por último, aguarde a sua análise no SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) e, caso não haja nenhuma pendência em seu nome, o crédito é aprovado.

QUANTO TEMPO LEVA PARA A APROVAÇÃO?

O tempo de espera entre as simulações e a aprovação do crédito dura em média de 30 dias nos principais bancos, com exceção da Caixa Econômica Federal, onde a aprovação leva em torno de 90 dias devido ao elevado número de contratos analisados pelo banco.
Ressaltando que tudo vai depender de uma série de fatores: se você já possui todos os documentos necessários em mãos, se o financiamento será no banco que possui conta ou em uma agência diferente, se já simulou a quantidade que poderá investir ou não.
Após toda a etapa de comprovação de dados, a instituição financeira solicitará uma avaliação do imóvel — feita por uma empresa especializada, engenheiro ou arquiteto —, para confirmar o seu valor real de mercado.

Tendo a confirmação do valor, as prestações são estabelecidas e passa-se para a etapa de elaboração do contrato, que deve ser assinado pelo vendedor e pelo comprador. A partir disso, o banco pagará o vendedor e a dívida fica sendo entre você e o banco.

Estar atento as essas dicas é primordial para que o seu sonho não se torne uma frustração. Lembre-se que o próprio imóvel torna-se a garantia do seu financiamento.

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp